Como identificar um articulista vigarista – O caso Duvivier

Gregório Duvivier, como todos sabemos, é um esquerdista de marca maior e uma espécie de pilantra intelectual que, apesar de ser um dos muitos a vociferar contra o chamado “senso comum” nas discussões – o que quer que isto signifique, pois, ao que parece, tudo o que desagrada às esquerdas é senso comum e não uma proposição que mereça exame e análise -, continua divulgando ideias como a de que Galileu foi preso pela Inquisição por ter feito humor contra o Papa ou a de que realmente existe, no Brasil, uma “extrema-direita” com organização partidária e com um número expressivo de adeptos.

Também não acho que precise lembrar ao leitor que, quando um vigarista tem grande espaço na mídia, há o risco de que solte suas vigarices por aí e, pior, de que seja idolatrado por isso. Com Duvivier não seria diferente. Desta vez, o metafísico de botequim aproveita-se, canalhamente, do assassinato do cinegrafista Santiago Andrade, da Rede Bandeirantes, por um membro dos “black blocs”, um dos grupos presentes desde o início na “Revolução de 13” (e, antes que venham me dizer, não me interessa se o sujeito era ligado a Freixo ou não, pois não é relevante para este post), para atacar justamente o grupo que se opôs desde o início às manifestações, ou melhor, para atacar o que ele supõe, do alto de seus amplos conhecimentos sobre filosofia política, que sejam os indivíduos que se opõem a toda essa palhaçada à “festa da democracia brasileira”.

Sem mais rodeios, vamos analisar o comentário, transcrito, na íntegra, abaixo:

“Era isso que os governantes queriam: que a classe média ficasse contra os manifestantes. Já estava acontecendo há um tempo, com ajuda de grande parte da imprensa. Agora, com a morte de Santiago, o jogo virou de vez. Os manifestantes (todos) viraram assassinos e a esquerda agora é acusada de compactuar com o assassinato. Não foi à toa que tentaram vincular, sem sucesso, o cara do Rojão ao Marcelo Freixo. Pre-pa-ra que agora o fascismo vem com tudo. Não tem nada mais facilmente manipulável do que a classe média apavorada. A morte do cinegrafista foi, definitivamente, uma tragédia. Mas foi uma tragédia muito celebrada. Era a tragédia pela qual o pessoal tava esperando. Brace yourselves, diz o seriado. Em bom português: fica esperto.”

Primeiro, Duvivier vem com aquela conversa mole sine qua non para os discursos esquerdistas de que é interessante para o governo que a “classe média” fique contra as manifestações, como se a grande maioria dos brasileiros fosse de classe média e como se a maior fonte de votos do PT não fosse, na verdade, a classe baixa, e complementa dizendo que a mesma “classe média” – aquela odiada pela “filósofa” Marilena Chauí (que, curiosamente, não foi processada, até hoje, por incitação a crime) e pessimamente delimitada pelos seus próprios inimigos declarados, os esquerdistas, em sua ampla maioria pessoas, oh!, de classe média – foi, na verdade, grandemente influenciada pela imprensa para se posicionar contra as manifestações. Cabe, aqui, indagar-nos sobre a sanidade de Duvivier e sobre o mundo em que este vive, pois, além de a imprensa ter tentado, durante todo o período de maior aquecimento da “Revolução de 13”, ludibriar o público com a lorota de que o vandalismo, nas manifestações, era exceção e ato de uma minoria (que, aliás, nunca sofreu as represálias devidas, pelo visto, pois continua a agir) e de que as mesmas passeatas tinham objetivos claros e bem delimitados, quando, ao mesmo tempo, qualquer um que acessasse o Facebook e conversasse com alguns manifestantes veria ou divergência de ideias dentro do grupo ou mesmo propostas de uma vagueza atroz.

Outro detalhe de que Duvivier se esquece é que não é preciso ninguém convencer  o brasileiro a ser contrário a movimentações políticas exatamente porque, como afirma acertadamente a maior parte da esquerda (ao menos nesse ponto), o brasileiro, enquanto povo e em um plano geral, nunca, na história da nação, foi afeito a revoluções ou mesmo a qualquer tipo de manifestação por mais legítima ou necessária que fosse.  Tentar enfiar goela abaixo dos brasileiros, então, um posicionamento antimanifestações seria o mesmo que tentar ensinar um padre a rezar o Pai Nosso, ou seja, seria inútil, pois a contrariedade já existia culturalmente, id est, antes mesmo de qualquer dos protestos ter sido levado a cabo.

Ocorre, porém, que o humorista de porta de cadeia do Porta dos Fundos não para por aí, e, logo depois, já afirma que, com este acontecimento, não só todos os manifestantes se tornam assassinos – eu os chamaria, como já fiz, de cúmplices, mas como, para a esquerda, não existem significados absolutos nem é importante a tradição na hora de significar um termo, não me oponho à ideia de Duvivier (vai que ele me chama de, como se diz?, “fascista!”) – como a esquerda também se transforma, automaticamente, em um grupo que compactua com assassinatos. Mas, ora, senhor Duvivier, não são os senhores da militância pelo misterioso “mundo melhor”, justamente, que afirmam, em uma distorção ridícula de uma ideia interessantíssima de Diderot sobre o poder das palavras ou de sua ausência em um discurso, que quem não se posiciona firmemente contra uma barbárie (no caso, na vossa interpretação, o “sistema capitalista”) está se posicionando, na verdade, a favor dela? Pois então, adoraria saber quando a esquerda midiática e política vai armar, contra a organização responsável por esse e outros crimes contra a mídia e contra a dignidade de profissionais e de pessoas humanas, um escarcéu tão grande quanto os que armam, frequentemente, contra as piadas de Danilo Gentili ou contra os comentários anti progressistas de Rachel Sheherazade. Prometo que, até lá, permaneço esperando, ok?

Mais próximo (finalmente!) do fim de seu comentário, Gregório, então, utiliza-se de mais uma das manjadíssimas estratégias da esquerda e invoca Exódia, o Proibido o “fascismo”. Mas, ora, se os opositores das manifestações, que sequer intencionam proibi-las (o que seria, por definição, um ato antidemocrático), são fascistas – ou seja, são ultra coletivistas e contrários a qualquer divergência de opinião -, o que dizer, então, de muitos dos próprios manifestantes, que, ao presenciarem a entrada de liberais e conservadores nas marchas, inventaram o grito, diga-se de passagem de um mau gosto estético extremo, “ei, reaça, cai fora dessa marcha!” e que, frequentemente, PROIBIRAM a mídia de sequer filmar as passeatas? Isto seria, na mente duvivieriana, o que então? Democracia? Respeito à diversidade? Valorização da liberdade de expressão?

Finalizando, o religioso político, usando-se de mais uma chantagem emocional barata, diz que “nada anima mais o governo do que uma classe média apavorada” e avisa a seus colegas de ideologia para ficarem alertas, provavelmente porque, na mente duvivieriana, virá, por aí, uma onda de ataques  dos “direitistas fascistas” contra a esquerda. Primeiro, não, Duvivier, o que anima o governo é UM POVO INTEIRO apavorado, pois aí pedirão mais e mais Estado sempre que virem um problema. Segundo, sejamos honestos: Quantos colunistas declaradamente de direita existem por aí e na grande mídia? E quantos colunistas se mostraram, com a mesma assertividade de gente como Reinaldo Azevedo e Rodrigo Constantino, contrários às manifestações desde o início? Pegue esse número e compare com a caterva apoiadora das manifestações nas redações e nos jornais. Viu alguma grande diferença? Se não, isso responde muita coisa. Se sim, isso esclarece a situação ainda mais.

Sobre o Autor: Octavius é professor, graduando em Letras e, com frequência razoável, se mete pelas bandas da Filosofia, do Polemismo e da Política.  Sente orgulho ao dizer que deixou de ser esquerdista antes de acabar admirando Gregório Duvivier e, quando o assunto é humor, prefere entrar em casa pela porta da frente para assistir ao programa de Danilo Gentili.

Anúncios

13 comentários

  1. Esse Gregório já virou saco-de-pancadas de toda a direita (talvez até da esquerda).Hoje mesmo ele já levou uma “surra” do Constantino e do Luciano Ayan.Se tiver sorte não vai levar uma do Reinaldo Azevedo.
    Ele é mais engraçado com o seu esquerdismo zona-sul carioca do que como humorista.

    Parabéns pelo texto!

      1. Ficaria grato!

        Outro que andou falando m. esses dias foi o Wagner Moura:

        http://oglobo.globo.com/cultura/wagner-moura-ser-radical-como-artista-diferente-de-humilhar-os-outros-11565513

        Critica a direita (pior, ele generaliza -sendo que o fascismo está mais próximo do socialismo do que o capitalismo-) mas não vê nenhum problema em negociar cachê alto.
        É aí que eu me lembro da frase de Roberto Campo:

        “É divertidíssima a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda: admiram o socialismo de Fidel Castro, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar – bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês; trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola…”

        Pelo menos agora ele vai fazer um filme que resume bem o que ele é na vida real.Um palhaço.

        Abraços e mais uma vez parabéns pelo texto.

  2. Concordo com algumas coisas, discordo de outras, mas independente disso, acho que tem uma falha na tua argumentação:

    “Primeiro, Duvivier vem com aquela conversa mole sine qua non para os discursos esquerdistas de que é interessante para o governo que a “classe média” fique contra as manifestações, como se a grande maioria dos brasileiros fosse de classe média e como se a maior fonte de votos do PT não fosse, na verdade, a classe baixa”

    Sim, tens razão, a maior fonte de votos do PT é a classe baixa. Ocorre que, quando usa a palavra “governantes”, Duvivier não está se referindo ao executivo federal, ou seja, ao PT. Do contrário, ele não escreveria adiante “Os manifestantes (todos) viraram assassinos e a ESQUERDA agora é acusada de compactuar com o assassinato.” Realmente, não seria do interesse dos governantes de esquerda que a classe média pensasse que a esquerda compactua com o assassinato. Mas para Alckmin (um dos alvos das manifestações e que não é do PT), isso já pode ser bem interessante sim. Enfim, nem todo governante é do PT.

    1. Ana,

      Sei, perfeitamente, que nem todos os governantes são do PT, só que os governantes petistas estão, sim, dentro do grupo “governantes”. Afinal, devo lembrá-la de quem é o prefeito de São Paulo? E, ainda mais, devo lembrá-la de que, para esse povo, até o PT virou à direita (quando é, na verdade, de extrema-esquerda)?

      E a “classe média” E A CLASSE BAIXA, lembre-se, já discordavam dessas manifestações mesmo antes das intervenções pusilânimes da mídia, pois acharam que iria dar merda, rs.

      Mas, enfim, obrigado pelo comentário. Por onde achou o blog?

      1. Racho de rir com o “PT de extrema-esquerda” Otavinho. Extrema-esquerda era o “Baader-Meinhof”, qualquer pessoa minimamente razoável vê que o PT é centro-esquerdista, até o nome dele é de partido de centro esquerda.
        E acho que vc tá com probleminhas de memória Octávio, pois esqueceu que quem gerou “A Revolução de 13” (como vc chama ironicamente e concordo com vc) foi a PM de São Paulo no dia 13/06/13, alem disso depois dessa data o índice de aprovação dos atos passou dos 80%. Realmente vc é uma negação em história!

      2. Antonio,

        Você está certíssimo sobre o PT não ser de extrema-esquerda. Sério mesmo, me enganei: é de EXTREMÍSSIMA-extrema esquerda.
        Sobre memória, sim, eu conheço os índices de aprovação, mas não sei onde ocorreram as pesquisas nem quem foi o público-alvo. Garanto que, se tivesse havido alguma em SJRP, teria sido um massacre pela reprovação. E outra, temos que ver também quanta gente realmente SABIA do que se tratava, incluindo os objetivos dos revolucionários.
        E, não, não sou uma negação em história, sou só cético mesmo, rs

      3. Bem Octávio acho que vc tem uma visão um tanto quanto limitada de Rio Preto pois por mais coronelista e tradicionalista que seja a politica da cidade, em geral as reação da cidade quanto a isso não é ruim, vide câmara 2011 e a ao fato de termos tido a maior manifestação fora de capital nos 2 dias nos quais ela ocorreu na cidade, alem disso se não me engano a maioria da população foi a favor em uma pesquisa local.
        Alem disso as manifestações (Que não tinam nada de revolucionária) em junho foram bem orgânicas e envolvia uma série de pautas sem uma organização central, sendo que essas pautas foram juntadas pela violência extrema da policia na repressão e da busca de melhores condições de vida nas cidades (representada no preço da passagem). Algo que saia disso é mera teoria conspiratória.

      4. “Alem disso as manifestações (Que não tinam nada de revolucionária) em junho foram bem orgânicas e envolvia uma série de pautas sem uma organização central, sendo que essas pautas foram juntadas pela violência extrema da policia na repressão e da busca de melhores condições de vida nas cidades (representada no preço da passagem). Algo que saia disso é mera teoria conspiratória.”

        Não tinham NADA de revolucionárias? Tem certeza? Então o Cauê Moura e MUITOS outros chamaram de Rev. de 13 por pura frescura mesmo?

        E sequer se sabia quais eram as reais pautas, meu rapaz.

    2. “Não tinham NADA de revolucionárias? Tem certeza? Então o Cauê Moura e MUITOS outros chamaram de Rev. de 13 por pura frescura mesmo?”

      Sim! Não tinha nada de revolucionárias, não se queria um mudança drástica da ordem política, econômica ou social, acho que “Revolução de 13” é frescura.

      Bem pra min tava muito claro que era um grito de insatisfação, algo de quero mais, sabe um grito de isso não é a cidade ou as condições sociais que quero viver e to aqui puto da vida que ninguém teve coragem de enfrentar os grandes problemas do país.

      1. OH! Vc descobriu a América! Tem partidos de esquerda em movimentos políticos de rua no qual não se tem controle dos participantes (Sério dá raiva porque muitas vezes eles aparecem de intrusos em roles que não são chamados) e vc esqueceu do PCB também! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
        Alem disso Black Block é tática e não grupo. ABRAÇO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s