Liberalismo

Uma solução parcial para o dilema da direita quanto à guerra política

Vejo muitos amigos de direita incomodados quando eu, o Luciano Henrique Ayan ou o Roger Roberto dizemos que a direita precisa passar a jogar a guerra política ou continuará à mercê dos canalhas da esquerda, podendo inclusive ser jogada na lata de lixo da história se a esquerda continuar ganhando mais e mais poder.
Confesso que entendo o incômodo. De certa forma, afinal, algumas vezes nós três (principalmente eu, bem mais do que o Luciano e o Roger) acabamos sendo um pouco inflexíveis demais e, do jeito que colocamos as coisas, fica parecendo que tudo o que queremos é uma direita que seja, na verdade, uma “esquerda de sinal inverso”, ou, como diria o amigo Marcos Aurelio Lannes Jr. em recente artigo, parece que queremos que os direitistas tratem a guerra política como um fim em si mesmo.
Lógico que acusar qualquer um de nós de sugerir que a guerra política deva ser um fim por si própria é uma objeção ridícula, já que, por definição, só se faz a guerra política em prol de algum objetivo exterior à guerra política, mas o fato é que, realmente, algumas pessoas simplesmente não vão conseguir aplicar a maior parte dos princípios da guerra política.
Isso não se dá, ao contrário do que muitos pensam, porém, por elas serem católicas, ateístas, muçulmanas, evangélicas, ex-esquerdistas ou o que quer que queiram ser. Isso se dá, muitas vezes, porque essas pessoas simplesmente partem de premissas diferentes daquelas adotadas pelos adeptos da guerra política, quer sejam liberais, como Luciano Ayan, quer sejam libertários como Roger.
Poucos conservadores que eu conheço, por exemplo, conseguiriam tratar todo tipo de militante de esquerda como um canalha consciente da aberração moral representada pelo esquerdismo, preferindo tratá-lo como um “utópico”, um “pobre iludido” que foi enganado, aí sim, por canalhas com objetivos totalitários na cabeça.
É óbvio que eu enxergo o tratamento como “canalha” como muito mais eficiente do que o tratamento como “utópico”, mas o fato é um só: ao menos nos próximos anos, boa parte dos direitistas simplesmente não vai conseguir tratar como canalha quem eles acreditam ser um mero iludido, e isto porque eles ainda não conseguem entender que nem sempre, principalmente em política, nossas crenças devem ser enunciadas como verdades para todos e em qualquer circunstância.
O problema, porém, é que, ao mesmo tempo que essas pessoas não conseguirão ir ao modo mais “hardcore” de combate político, aqueles que conseguem continuarão precisando da ajuda dessas pessoas para combater a esquerda exatamente porque, no presente momento, o que os direitistas mais precisam é de aliados, ainda que temporários e ainda que não perfeitos. Como, então, conseguir fazer que essas pessoas ajudem mais do que atrapalhem a esquerda na guerra política?
A resposta é até bem simples. Ora, antes mesmo de fazer os direitistas enxergarem os esquerdistas como bem mais do que meros ingênuos, bem mais importante é fazer a direita perceber que, à mulher de César, não basta ser honesta, esta também deve parecer honesta, ou, trocando em miúdos para o nosso assunto, não basta um sujeito estar com a verdade, este também precisa fazer que essa verdade ganhe a simpatia das pessoas, ou estas simplesmente se recusarão a segui-la, ainda que os fatos a corroborem de maneira inexorável.
Em resumo, não é necessário o direitista abdicar de suas verdades, mas sim saber quando dizê-las e, mais urgentemente, saber como torná-las mais simpáticas, mais didáticas e mais atraentes não para os já convertidos, mas principalmente para os neutros que andam tendendo mais à esquerda exatamente pelo fato de a esquerda ter percebido, há muito tempo, o princípio enunciado acima.
Para isso, é, claro, preciso aplicar pelo menos um princípio da guerra política, o de falar ao coração das pessoas para ganhar apoio (ou para, pelo menos, fazer o inimigo perder apoio), mas que é, antes de tudo, um princípio de convívio social que muitos desses direitistas já usam. Afinal, quando se quer, por qualquer motivo que seja, ganhar a simpatia e até a amizade de uma pessoa, mentiras não são necessárias nem úteis, sendo necessário, na verdade, mostrar a essa pessoa que não somos monstros ou insensíveis, mas sim pessoas compreensivas com as quais se poderá contar em momentos mais difíceis da vida.
Se a direita mais resistente à adesão à guerra política não conseguir aplicar esse princípio, aí perceberemos que o problema não é negação da política, e sim negação da vida social em si, o que, aí sim, será ainda mais preocupante do que as negações que a direita já faz.
Octavius é professor, graduando em Letras, antiolavette e polemista medíocre.  Sabe que empatia tem limite, mas acha que a direita não está nem perto dele ainda.

A Mentalidade Anticapitalista, de Ludwig von Mises – Uma Resenha

*O texto abaixo é o resultado de uma compilação de uma série de notas tomadas por este blogueiro que vos fala enquanto este estudava um dos livros mais famosos da divindade de alguns liberais, Ludwig von Mises. Caso queiram reutilizá-lo para ajudar em seus próprios estudos dessa e de outras obras semelhantes, sintam-se livres para fazê-lo. Caso gostem e queiram outra obra resenhada, podem tentar pedir, mas não há garantias de que a resenha virá  a ser feita. Não me prendi a detalhes biográficos do autor, apenas ao que havia no livro em si, por uma questão de extensão textual (sendo que o texto já ficou bem longo). Boa leitura.

A Mentalidade Anticapitalista – Uma Resenha

É já na introdução de A Mentalidade Anticapitalista que podemos perceber os intentos e o ritmo da obra do economista austríaco Ludwig von Mises, mais conhecido por ser uma espécie de divindade entre setores dos liberais e dos libertários.

O primeiro dos dois aspectos a serem destacados nessa introdução é que Mises expõe em muito breves linhas um dos principais assuntos de seu livro, isto é, as visões comuns acerca do Capitalismo, ou, em outras palavras, os preconceitos de intelectuais e de pessoas comuns contra esse modo de produção, associando-o a todo o mal que há no mundo.

O segundo e último desses aspectos é o fato de que o economista austríaco revela também de modo sucinto os seus objetivos com A Mentalidade Anticapitalista, que são, nas palavras do próprio liberal, “analisar esse preconceito anticapitalista e divulgar suas raízes e consequências. ” (p. 24)

O livro se divide em cinco capítulos de extensões diferentes que se interligam de um modo bastante coerente, apesar de ser possível fazer sérias objeções a algumas de suas abordagens, o que pode ser, talvez, o tema de um de meus próximos textos.

No primeiro capítulo, intitulado As características sociais do capitalismo e as causas psicológicas de sua difamação, o economista liberal propõe que o capitalismo seja analisado pelo prisma do consumidor soberano, já que, de acordo com Mises, “a principal característica do capitalismo moderno é a produção em escala de bens destinados ao consumo das massas. ” (p. 27), estas mesmas que seriam responsáveis, então, pelo futuro dos negócios em geral, tendo passado de meros “subalternos” (no vocabulário misesiano) a “público comprador”, este que controla socialmente o que deve ou não ser produzido.

Em seguida, Mises critica o comportamento de seus contemporâneos e a este contrapõe o modo de melhorar de fato as condições materiais dos homens:

“O que está errado com a maioria dos nossos contemporâneos não é que eles estão sempre desejando apaixonadamente por maiores e melhores suprimentos de diferentes bens, mas sim pela sua escolha de meios inapropriados para atingir esse fim […] Há somente um meio disponível para melhorar as condições materiais da humanidade: acelerar o crescimento do capital acumulado em relação ao crescimento da população. Quanto maior a quantidade de capital investido por trabalhador, bens melhores e em maior quantidade podem ser produzidos e consumidos. Isso é o que o capitalismo, o sistema econômico mais insultado, produziu e produz novamente, todos os dias. ” (p. 32)

Para entender, porém, o motivo por que tantos têm asco ao capitalismo, o liberal começa por diferenciar aristocratas de empresários, postulando que, enquanto estes dependem do contentamento popular nas sociedades capitalistas, aqueles eram imunes a isso justamente por viverem em sociedades de casta. Em outras palavras, para Mises, seria muito mais fácil, sem interferências estatais no sistema capitalista, minar a renda de um empresário do que minar a de um aristocrata exatamente por causa das diferenças dos modelos sociais em que cada uma dessas figuras existe.

Mises, então, explica o porquê de haver essa diferença entre o que denomina “sociedades de status” (as sociedades feudais, por exemplo) e as sociedades capitalistas:

“O que faz um homem mais ou menos próspero não é a avaliação de sua contribuição do ponto de vista de um princípio ‘absoluto’ de justiça, mas a avaliação da parte de seus semelhantes, que simplesmente utilizam como padrão de medida suas próprias necessidades pessoas, seus desejos e finalidades. É precisamente isso que significa o sistema democrático de mercado. Os consumidores estão acima, ou seja, são soberanos. Eles querem ser satisfeitos. ” (p. 36)

Além disso, o economista pondera ao leitor que, enquanto o destino individual é predeterminado nas sociedades de castas, o exato oposto ocorre no capitalismo, em que o único refúgio ao indivíduo malsucedido seria travestir seu ressentimento na forma de uma amplamente popular filosofia anticapitalista.

Uma das classes em que esse ressentimento mais se faz presente, segundo o filósofo, é a classe dos intelectuais. De acordo com Mises, “para entender a aversão do intelectual ao capitalismo, é necessário perceber que, na sua mente, o sistema é a encarnação de um número definido de pares de cujo sucesso ele se ressente e a quem ele responsabiliza pela sua frustração decorrente das suas próprias ambições desmedidas. ” (p. 47)

Em seguida, é apontada a peculiaridade do caso americano e de seus intelectuais que, desprezados pela “sociedade” (os ricos), passam a odiá-la assim como ao capitalismo por tabela.

Os intelectuais, entretanto, não são os únicos ressentidos atacados por Mises. Trabalhadores de escritório e parentes de empresários bem-sucedidos também têm as razões de seus ressentimentos escrutinadas pelo economista, além de este também explicar a aliança entre o dinheiro dos parentes (os “primos”, segundo Mises) e os diversos tipos de protestos anticapitalistas que florescem América e mundo afora.

No final do capítulo, Mises analisa a aparentemente insólita relação de amor entre as estrelas de Hollywood e da Broadway e a ideologia comunista, afirmando inclusive que nenhum outro ambiente americano teria apoiado tanto a esquerda. Para o pensador, isto se dá porque “a essência da indústria do entretenimento é a variedade […]. Um magnata do teatro ou das telas deve sempre temer a perversidade do público. Ele pode acordar rico e famoso em uma manhã e no dia seguinte ser esquecido […]. ” (p. 64)

No segundo capítulo, A filosofia social do homem comum, Mises começa a contrapor a visão do homem comum sobre o capitalismo ao que este é ou não de fato. Dentre outros aspectos, Mises correlaciona a falta de compreensão dos mecanismos da Economia em sua relação com o progresso tecnológico com a crença nesse progresso como automático e mero fato da natureza, o que tornaria, segundo o senso comum, a melhoria das condições de vida também automática e natural.

O economista austríaco afirma o seguinte acerca das opiniões comuns sobre essa relação:

“No seu modo de ver, os desenvolvimentos tecnológicos sem precedentes dos últimos duzentos anos não foram causados ou favorecidos pelas políticas econômicas da época. Eles não foram uma realização do liberalismo clássico, do livre comércio, do laissez-faire e do capitalismo. Portanto, irão continuar sob qualquer outro sistema de organização social. ” (p. 71)

Segue-se a isso uma breve explicação acerca do que é capitalismo de fato, que começa com as palavras abaixo e termina com Mises ressaltando novamente a diferença entre as explicações do senso comum e o viés misesiano sobre o capitalismo:

“Os termos capitalismo, capital e capitalistas foram empregados por Marx e hoje são empregados pela maioria das pessoas – também pelas agências de propaganda oficial do governo dos Estados Unidos – com uma conotação ultrajante. Ainda assim, essas palavras apontam, de forma pertinente, ao fator principal cuja operação produziu todas as realizações maravilhosas dos últimos duzentos anos: o desenvolvimento sem precedentes do padrão médio de vida para uma população continuamente em crescimento. ” (p. 73)

Falando em término, aliás, Mises termina o capítulo discorrendo sobre como a junção de inveja, ódio, príncipes, aristocratas, religiosos e socialistas pôde formar o que denomina “frente anticapitalista”, a mesma frente que, de acordo com o filósofo, está fazendo que as novas gerações sejam educadas em ambientes permeados do ideário de esquerda.

No terceiro capítulo, A literatura sob o capitalismo, o economista austríaco exibe as relações entre literatura e capitalismo, mostrando como a crença de alguns liberais mais antigos de que um mercado literário evoluído traria um novo florescimento intelectual ao mundo estava equivocada, já que, segundo Mises, “o capitalismo pode tornar as massas tão prósperas que elas podem comprar livros e revistas. Mas ele não pode incutir nelas o discernimento de Mecenas ou de Cangrande I dela Scala. ” (p. 92)

Em seguida, além de teorizar sobre como o anticapitalismo pode influenciar que tipo de literatura terá ou não sucesso em determinado momento histórico, Mises também aponta para o fato de que, graças aos boicotes armados por sindicalistas e outros anticapitalistas, a liberdade de imprensa e, por extensão, a de literatura ficam comprometidas, já que, “hoje em dia, está fora de questão parodiar no palco os poderes constituídos […] Os dirigentes sindicais e os burocratas são sacrossantos. O que restou para a comédia são aqueles tópicos que tornaram a opereta e a farsa hollywoodiana abomináveis. ” (p. 99)

Há também a breve análise do que o liberal chama de “fanatismo dos literatos”, ou seja, de como os sedizentes progressistas de seu tempo só tinham a maledicência e, novamente, o boicote em sentido amplo como respostas ao que era exposto pelos defensores do capitalismo.

Por fim, há a análise da literatura socialista em si e de seus autores. Deixo, como provocação para os que, como eu, gostam desse tipo de análise, o início da última parte do terceiro capítulo:

“O público comprometido com as ideias socialistas pede por romances e peças ‘sociais’ (socialistas). Os autores, eles mesmos imbuídos com as ideias socialistas, estão prontos para entregar o material solicitado. Descrevem as condições insatisfatórias que, como eles insinuam, são as consequências inevitáveis do capitalismo. Eles retratam a pobreza e a privação, a ignorância, a sujeira e doenças das classes exploradas. Eles criticam severamente o luxo, a estupidez e a corrupção moral das classes exploradoras. A seu ver, tudo que é ruim e ridículo é burguês e tudo que é bom e sublime é proletário. ” (p. 109)

No quarto capítulo, As objeções não-econômicas ao capitalismo, Mises envida esforços para rebater, como no título do capítulo, qualquer crítica ao capitalismo que tenha bases que não sejam a economia, quer morais, quer filosóficas, quer sociológicas.

À primeira, a de que posses não trazem felicidade, o liberal objeta que o real objetivo do comprador é evitar o desprazer, e não necessariamente atingir o prazer em seu estado mais perfeito. Nos termos de Mises, o objetivo é, na realidade, que o comprador se torne mais feliz do que antes, que fique mais satisfeito e que, no geral, aumente o seu nível de bem-estar.

À segunda, a de um materialismo que faria que as aspirações mais nobres, entre elas a filosofia, a literatura e as outras formas de arte, ficassem em último lugar, Mises contrapõe toda a produção artística e filosófica do início do capitalismo até seus dias, citando grandes nomes da música, da literatura e da filosofia para fortalecer sua argumentação.

À terceira, a da injustiça inerente ao capitalismo, o economista austríaco opõe a vagueza, de acordo com as premissas misesianas, do conceito de justiça utilizado, além da incapacidade desses detratores do capitalismo de entenderem o capital em si, seu funcionamento e suas implicações nas sociedades.

Por derradeiro, Mises lida um pouco mais minuciosamente com o modo como a esquerda de sua época se apropriava do conceito de liberdade. Uma de suas exposições, aliás, parece manter sua relevância até mesmo quando falamos no Brasil contemporâneo:

“Nenhum homem inteligente deixará de reconhecer que o que os socialistas, comunistas e planejadores estão buscando é a abolição mais radical da liberdade individual e o estabelecimento da onipotência do governo. Apesar disso, a imensa maioria dos intelectuais socialistas estão convencidos de que, ao lutarem pelo socialismo, estão lutando pela liberdade. Eles se autodenominam esquerdistas e democratas e, atualmente, estão ainda reivindicando para si o epíteto ‘liberal’. ” (p. 139)

Last but not least, é no último capítulo, “Anticomunismo” versus Capitalismo, que Mises opõe capitalismo a “anticomunismo” e em que o austríaco ao mesmo tempo defende a liberdade denuncia seus falsos defensores, isto é, os comunistas que se travestem de anticomunistas e que são criticados ao longo desse curto capítulo.

É, aliás, com uma das razões de sua crítica que termina o livro e, por extensão, que termino esta resenha:

“Um movimento ‘anti alguma coisa’ mostra uma atitude puramente negativa. Não tem nenhuma chance de ser bem-sucedido. Suas críticas apaixonadas virtualmente fazem propaganda do programa que atacam. As pessoas devem lutar por algo que elas querem alcançar, não simplesmente rejeitar o mal, não importando quão ruim ele possa ser. Eles devem, sem qualquer reserva, endossar o programa da economia de mercado.

O comunismo teria hoje, depois da desilusão trazida pelos ‘feitos’ dos soviéticos e do lamentável fracasso de todos os experimentos socialistas, pouca chance de ser bem-sucedido no Ocidente, se não fosse esse falso anticomunismo.

A única coisa que pode evitar que as nações da Europa Ocidental, América e Austrália sejam escravizadas pelo barbarismo de Moscou é um apoio aberto e irrestrito ao capitalismo laissez-faire. ” (p. 158)

Referência Bibliográfica

MISES, Ludwig von. A Mentalidade Anticapitalista. 2. ed. Campinas: Vide Editorial, 2015. Tradução de: Adelice Godoy.

Octavius é professor, graduando em Letras, antiolavette e polemista medíocre

Eu, Apolítico – Os conservadores e a mulher de César

“À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta”

Caso conseguissem se lembrar desse dito popular e soubessem como aplicá-lo à questão política, tanto conservadores olavettes como conservadores não-olavettes teriam muito mais sucesso ao empreenderem sua cruzada contra o esquerdismo totalitário que vem, segundo eles próprios, assolando o país há pelo menos 14 anos.

Por que construi uma assertiva de tamanha ousadia para um mero blogueiro de internet com um público relativamente pequeno? Por uma série de razões muito simples cujas explicações não constituem, é lógico, um tratado sobre política, mas podem ajudar a esclarecer alguns pontos sobre a razão de eu vir descarregando as mais diversas críticas aos grupos conservadores.

Primeiro, é óbvio para qualquer ser humano que tenha mais de 10 anos de idade e mais de três neurônios ativos no cérebro que, quando lidamos com indivíduos, quer dentro do âmbito político, quer fora, até nos é possível, mas nem sempre nos convém, dizer tudo o que queremos e o que pensamos.

Para ficar em dois exemplos simples e muito cotidianos, o que pensaríamos de um homem que nos contasse ter dito de maneira pouco agradável e muito direta à sua namorada com problemas em relação a sobrepeso que esta deveria tomar um tanto mais de cuidado em relação à alimentação? Não pensaríamos, por exemplo, que sua sinceridade é, no mínimo, perigosa para ele próprio em termos de segurança?

Da mesma forma, quantos de nós teríamos a ousadia de dizer a um soropositivo cuja vida pregressa foi repleta das mais diversas experiências sexuais pouco seguras que este só colheu o que plantou? Mesmo se quiséssemos agir com crueldade, não pensaríamos pelo menos que dizê-lo poderia gerar um conflito desnecessário entre ambos?

Ora, se em episódios cotidianos não expressamos tudo aquilo que nos vêm à mente, por que o faríamos em pleno palanque político? Por que um conservador anti-gay ou mesmo anti-casamento gay não pode, por exemplo, se abster de despejar seus preconceitos pouco fundamentados ou seu discurso anti-casamento gay excessivamente rebuscado enquanto o partido que quer ver fora do poder ainda está no poder?

Não é permitido a um conservador criacionista, outrossim, abster-se de atacar o evolucionismo em um ambiente cultural em que o criacionismo já não tem mais a mesma força e em que defender essa doutrina pode ser uma arma utilizada pelo oponente para desmerecer qualquer outra ideia sua?

E um conservador monarquista, então? É mesmo necessário fazer campanha em prol da volta dos Bragança ao poder quando até mesmo a República que, segundo os próprios, foi incutida como valor essencial na mente dos brasileiros, está prestes a ruir e a dar lugar a um sistema em que tanto monarquistas quanto republicanos terão suas vozes caladas?

Cito, por fim, um exemplo um tanto diferente, mas que gerou uma divergência com dois bons amigos, o liberal Caio Vioto e o professor de Filosofia Francisco Razzo. Se “utópico” é um adjetivo que, na maioria dos casos, não tem uma conotação tão negativa quanto “assassino” ou “genocida”, por que, ao descrever o conceito de “comunismo” em plena internet, lugar em que as pessoas procuram ideias prontas e acessíveis intelectualmente para defender, preferir utilizar aquele adjetivo, tornando o Comunismo só mais uma ideia a ser seguida, e não estes, que são muito mais efetivos do que qualquer argumento anticomunista no combate ao esquerdismo?

Trocando em miúdos, o que me incomoda no discurso conservador não é tanto o seu conteúdo em termos filosóficos, mas a sua forma pouquíssimo chamativa – que homossexual, ateu, umbandista ou negro em sã consciência apoiaria uma corrente política que, mesmo afirmando não detestá-lo, não dá mostras de que se preocupa com sua situação como, para esses grupos, deveria? – e, principalmente, os momentos ainda menos oportunos em que tais ideias são veiculadas.

Em resumo: é lindo citar o luminoso-mestre das olavettes com sua famosa platitude “moderação na defesa da verdade é serviço prestado à mentira”. A realidade, porém, quase nunca é tão, digamos, “charmosa”, e é por isso que é também preciso lembrar que burrice e ingenuidade políticas na defesa da verdade são esse serviço em triplo.

Octavius é professor, graduando em Letras, antiolavette e polemista medíocre. Espera que, agora sim, a galera entenda a motivação central dos textos linkados e de todos os outros. Pena, porém, que esperança nunca foi seu forte.

Teste de cegueira ideológica 2

Após o retumbante fracasso de alguns dos meus leitores no primeiro destes testes, em que a resposta certa era obviamente o filósofo húngaro Tzvetan Todorov, resolvi aplicar este segundo, desta vez com um livro mais famoso, apesar de apenas mais ou menos famoso.

(mais…)